Madlib é aclamado como um dos mais prolíficos produtores dos anos 2000, e ouso dizer que está entre os maiores produtores vivos. Mas, o que existe de tão profundo em sua obra? É isso que o Raplogia investigou, e o resultado será uma lista com muitas de suas obras-prima mais obscuras.

Madvillainy

O produtor é muito conhecido por seus trabalhos em “Madvillainy, que lhe rendeu status de lenda, bem como disco – considerado um dos maiores de todos os tempos, por seu trabalho como Quasimoto, e mais recentemente, a produção de “Piñata”, em parceria com Freddie Gibbs. É claro que existem outros trabalhos conhecidos, e isso depende do quão profunda a busca por toda a sua obra, mas, esse texto tem o dever se mostrar que, dentro de sua “biblioteca desorganizada”, Madlib guarda jóias raríssimas, que são um deleite para todo fã de boa música.

Abaixo, uma lista com várias das viagens musicais do Beat Konducta, necessárias para entender sua carreira com mais de 20 anos!

Lootpack - Psyche Move EP (1995)

Lootpack - Psyche Move EP

“Psyche Move EP” foi lançado como uma fita – no que era realmente uma mixtape nos moldes da épocana época, com alguns sons que viriam a fazer parte do primeiro lançamento do grupo, “Soundpieces da Antidote”, lançado em 1999. Algumas faias também serviriam, em 2004, para o que viria a ser “Madvillainy”. Lootpack na sua forma mais pura e crua!

Madlib & Kaze - BlackMarket Seminar (1996)

Madlib & Kazi - BlackMarket Seminar

Trabalho mais antigo do produtor dentre os meus favoritos, BlackMarket Seminar segue uma linha parecida com o que já rolava nos anos 90, mas já havia uma personalidade na escolha dos samples e até a montagem das baterias e acordes. Kaze fez jus ao trabalho de produção e cuspiu fogo num disco que flertava entre o Gansta RAP e o chamado “rap Underground”. Em 2016 o disco foi re-lançado, numa versão masterizada digitalmente.

Lootpack - Soundpieces Da Antidote (1999)

Lootpack - Soundpieces Da Antidote

Lootpack é aquele grupo que a mídia nunca levou a sério mas foi eternizado em nossa infância pela trilha sonora do game “Tony Hawk”. Brincadeiras a parte, o debut do trio de Los Angeles, apesar de hoje ter status de lenda, ainda sim é esquecido dentre toda a obra de Otis. O disco abriu os caminhos para Madlib, Wildchild e DJ Romes, três grandes na arte do RAP. Obra mais do que obrigatória pra entender a trajetória de Madlib!

Madlib - Madlib Invazion (2000)

Madlib - Madlib invazion (2000)

Madlib Invazion é o primeiro registro solo do produtor, lançado em 2000. É também o nome de sua gravadora – que lançou, por exemplo, o Piñata.

Contém alguns registros ainda bem crus, mas a coisa já começava a tomar forma nessa época. Tem participações do seu irmão Oh No, MED e a galera do Loootpack.

Madlib – Beat Konducta vol. 0: Earth Sounds (2001)

Madlib – Beat Konducta vol. 0: Earth Sounds

Apesar de não achar nada muito genial, é importante frisar esse trabalho, pois foi o marco zero de uma das suas sérias mais aclamadas: “Beat Konducta”. O que vem depois é só clássico atrás de clássico.

Yesterdays New Quintet - Angles Without Edges (2001)

Yesterdays New Quintet - Angles Without Edges

Ysterday New Quintet é o quinteto de jazz onde Madlib apresentou toda a sua gama de conhecimento no gênero. Lançado em 2001, foi um momento decisivo na carreira do produtor que, aandonando sua SP1200, adquiriu um Fender Rhodes, e fez a magia acontecer. Esse trabalho tem uma particularidade que eu acho sensacional: YNQ é formado por 5 “músicos de jazz” -Joe McDuphrey, Malik Flavors, Ahmad Miller, Monk Hughes e Otis Jackson Jr, cada um deles tocando um instrumento, e cada um deles possuindo trabalhos solo. O que é interessante é que, todos os 5 integrantes são apenas alter-ego de Madlib. Ou seja, é um grupo fictício, com integrantes fictícios e discos solo fictícios, sendo tudo feito pelo próprio Mad!

Outro fato interessante, porém triste, é que o disco foi lançado em 11 de Setembro de 2001, dia dos atentados as torres gêmeas, nos EUA. O disco, com isso, foi completamente ignorado pela indústria da música.

Madlib - Shades of Blue (2003)

Madlib - Shades of Blue

Esse foi o primeiro disco que me fez ter interesse no Jazz. É também um dos integrantes do Panteão de clássicos do cara.

“Shades of Blue” foi lançado em 2003 pela Blue Note, um dos grandes selos de Jazz e Blues da história. A história do disco é t!ao linda como a história da Blue Note ou de Madlib. Comemorando seus 30 anos de idade, o produtor foi convidado pelo selo para “invadir” os seus milhares de registros originais, para compor o que seria uma releitura das obras da Blue Note. Daí surge um dos mais belos discos de jazz e Hip-Hop de todos os tempos, cravejado com a elegância da música negra norte-americana e a genialidade do produtor. É simplesmente indispensável a audição desse disco

A foto que ilustra a capa do disco foi tirada pelo estimado fotógrafo Brian Cross (B+), responsável pelos mais belos registros da Costa Oeste. A direção de arte foi inspirada na capa do disco “Blue Train”, de Jonh Coltrane, também lançado pela Blue Note.

Talib Kweli & Madlib - Liberation (2007)

Talib Kweli & Madlib - Liberation

É MUITO bizarro que esse disco não tenha atenção, tanto na coletânea de Talib e Madlib quanto na mídia em geral. “Liberation” foi uma colaboração não-oficial entre ambos artistas (reza a lenda que Talib lançou o disco sem avisar Madlib, que havia lhe cedido essas batias anos antes), marcada pela qualidade dos beats,que casaram muito bem com o flow mais corrido e quebrado do Talib, um dos grandes Mc’s da nossa geração. A capa me lembra bastante a icônica foto “Raising the flag on Iwo Jima”, tirada na Segunda Guerra Mundial.

Bom, pra quem gosta de ver o TAlib brincar em cima das batidas como se tivesse deslizando por elas, é um prato cheio. Ouçam “Happy Home” e “Funny Money”!

Madlib ‎– Speto Da Rua - Dirty Brasilian Crates Volume 1 (2007)

Madlib ‎– Speto Da Rua - Dirty Brasilian Crates Volume 1

Em 2007, Madlib embarcou no nordeste brasileiro, para praticar o que sabe de melhor: “Crate Diggin”, que nada mais é do que o ato de escavar caixas de discos a procura de material para samplear. Esse rolê de três semanas resultou em “Speto de Rua”, uma seleção muito foda com o que há de melhor da música brasileira, sendo uma série de seis mixagens chamadas de “Caixas brasileiras sujas”. O nome já diz tudo, MPB suja, crua, antiga e bela, muito bela!

Madlib Medicine Show: No. 2 - Flight to Brazil (2010)

Madlib Medicine Show: No. 2 -Flight to Brazil

“Medicine Show” veio pra ser maus uma das séries de sucessos de Madlib. O segundo episódio foi uma por 30 anos de Funky, Rock psicodélico, e Jazz Brasileiro. Eu confesso que não conhecia praticamente nada da música brasileira até me deparar com essa obra prima. O disco se destaca por ser uma série de músicas do nosso país, mixadas pelo produtor, que nunca escondeu seu amor por nossa música (em 2002, ele esteve aqui para uma série de eventos, onde produziu alguns dos beats que fariam parte do aclamado “Madvillainy”). Vale muit a pena essa imersão pela MPB, que foge dos nomes mais conhecidos.

Madlib Medicine Show No. 5 - History Of The Loop Digga: 1990-2000 (2010)

Medicine Show No. 5 History Of The Loop Digga: 1990-2000

O EP número 5 da série “Medicine Show” é uma beat tape ao melhor estilo “Clássicos do Boom Bap”.  Compilando uma década de produções de Madlib, o EP trás as primeiras batidas da carreira do produtor, tendo como ilustração uma capa meio GTA San Andreas, com o seu alter-ego, “Loop Digga” atirando em policiais brancos. Foda!

Uma faixa qu eu gosto de destacar é “Real Days”, que trás Otis Jacko rimando pra caralho, coisa rara hoje em dia mas que era habitual nos anos 90 e 2000, época do Lootpack.

To my nigga Medaphoar, to my nigga DJ Romes!

Madlib, MED & Blu - Bad Neighbor (2015)

Madlib, MED & Blu - Bad Neighbor

Um pouco mais recente, porém não menos ignorado, o trio de Los Angeles – MED,  Blu e Madlib, uniram forças para esse disco que eu gosto muito! Tem alguns beats bem modernos, quebrados, temáticas que variam bastante. além do Blu e MED juntos, que casou de uma forma muito boa. “bad Neighbor” foi uma das últimas produções que tiveram algum destaque de Madlib, e estamos aguardando ansiosos por “Black Star 2” e “Bandana”.

Deixe seu comentário!
Marco Aurélio

Marco Aurélio

Fotografo shows sujos onde frequento, escrevo rimas que nunca vou lançar e faço pautas sobre coisas que vocês (ainda) não conhecem.

Leave a Reply