Review: ScHoolboy Q – Oxymoron

ScHoolboy Q pode fazer parte da gravadora de Kendrick Lamar, mas os dois não tem nada a ver um com o outro. E é isso que deixa Oxymoron interessante do começo ao fim. O rapper pode ser menos minimalista que Kendrick, mas é cru, e faz do primeiro disco dele por uma gravadora grande um projeto extremamente pesado.

Oxymoron não decepciona nem um pouco, mas não tem o mesmo impacto que Good Kid, Maad City. É um projeto que se baseia bastante em faixas cruas, elas dão o recado que querem de uma vez, e não tem uma maior profundidade. Isso não atrapalha, pois esse tipo de faixa era bastante típico no Rap feito na west coast antigamente. A mensagem dita, é passada de cara. Nada de uma história por cima.

O disco tem faixas bastante diversificadas. Q fala sobre as ruas, fala sobre maconha, rima em club bangers e em faixas com no melhor estilo bragadoccio. Mas o que predomina em Oxymoron, é aquela história bastante comum em rappers que um dia venderam drogas: falar sobre o seu passado como drug dealer. Ouvir rappers assim para mim, nunca se torna repetitivo. Pois eles me trazem diferentes histórias e experiências, e geralmente procuro comparar essas coisas entre um e outro rapper.

A produção desse projeto é algo incrível. Q trabalhou com diversos produtores, entre os mais famosos temos: Pharrell (Los Awesome), Tyler the Creator (The Purge) e The Alchemist (Break The Bank). A última faixa, é a minha favorita no disco. Fala sobre tomar o jogo como se fosse um assalto a banco, a produção de ‘Chemist é extremamente pesada, e mostra que o produtor ainda está no seu ápice. A faixa de Pharrell é cara do produtor, lembra bastante as produções do início da última década dele. Aonde P produzida o Clipse, por exemplo. A faixa tem a típica melodia que podemos reconhecer que é de Pharrell. Mike Will Made It também está no projeto, ele produz a faixa What They Want, com 2 Chainz. Outra produção diferente no disco de Q, mostrando que a reunião de produtores de diferente áreas dá certo. Essa não é minha faixa favorita, assim como Mike não um produtor que eu admiro muito. Mas tenho de confessar, a faixa não é ruim.

E é essa “reunião de produtores” que deixa o Oxymoron único. O disco muda de uma hora para outra, não perdendo a consistência graças a Q que sabe muito bem levar uma faixa. Seu flow para mim, é o melhor entre os rappers da Top Dawg. Ele é bastante versátil, e está escrachado na cara de todos isso com o Oxymoron. Liricamente, o rapper é bastante forte. Eu gostei realmente do que ouvi. Wordplay de Q é bastante bom, ele tem uma espécie de metalinguagem muito interessante.

Outro ponto que temos de ressaltar rapidamente, são as colaborações. Se você tem caras como Raekwon, Kurupt, Kendrick Lamar, Jay Rock e Tyler The Creator em um disco, as chances de sair um ótimo projeto são grandes, e bem, realmente saiu.

Para finalizar, só tenho uma coisa a dizer: ouçam esse projeto. Se quiserem mais dele, ouçam os discos antigos. Q é um ótimo rapper, que precisa ter um destaque do tamanho de seu talento. Muitos já o taxaram como um “simples amigo de Kendrick”, mas isso é extremamente injusto. Não devemos “cobrir” o que ScHoolboy Q faz pelo que o seu companheiro de gravadora fez. Q quebrou a banca, atualmente o jogo é dele.

Facebook Comments

Jhonatan Rodrigues

Fundador do Raplogia em 2011, Joe é fã incondicional de Nas, futebol, cinema e séries de TV. Se apaixonou pelo hip-hop graças aos filmes sobre a cultura e escreve há 7 anos sobre o assunto na internet. Já passou pelo Rapevolusom e foi um dos moderadores do Genius Brasil.