Review: Thaíde & DJ Hum – Hip-Hop na Veia

Thaíde-DJ-Hum-Hip-Hop-Na-Veia

O RAPLOGIA continua com a série especial sobre o trabalho da lendária dupla Thaíde & DJ Hum, sendo que dessa vez trazemos o review de ‘Hip-Hop na Veia’, álbum lançado no ano de 1990. O projeto, assim como os outros da dupla, emana perfeitamente o amor de Thaíde pela cultura de rua, exaltando a importância do movimento e de seu crescimento.  DJ Hum está excelente nas pick-ups como sempre, não fica difícil entender porque seu nome está eternizado no rap nacional. A essência do álbum é de ordem critico social, tendo Thaíde abordando problemas como a intolerância e o preconceito racial, a corrupção política e a falta de oportunidades para os mais pobres. Enfim, vamos dissecar todas as 10 faixas dessa obra que inspirou e influenciou muitos ouvintes e mc’s do país.

Movimento de rua abre o disco, tendo o MC conversando com o ouvinte, chamando a atenção para que preste atenção nas rimas que está prestes a lançar, após essa chamada,  Thaíde faz referências aos elementos do movimento, como por exemplo, graffiti, break e DJ , além disso, ele fala da importância do rap, de como ele conscientiza seu público, de sua capacidade em relembrar o orgulho e a fé que as pessoas tem que ter em si mesmas, lutando sempre, não deixando-se desanimar jamais.  Na faixa em questão, DJ Hum solta seus scratches, deixando o som com uma roupagem bem clássica de Hip-Hop.

Porcos no Poder fala sobre os candidatos que são difíceis de acreditar, já que promessas são feitas, mas depois nada é feito. Thaíde mostra seu desgosto em votar e fala da miséria que parece nunca acabar, a faixa mostra claramente como os cidadãos são infelizmente totalmente esquecidos pelos governantes.

Não Pare o Funk tem Thaíde chamando a atenção para que o ouvinte esqueça um pouco os problemas e curta a música, o mc conversa algumas vezes com o DJ Hum, pedindo para que ele continue com seu som perfeito. Astral, mão pra cima e agito é a tônica do som, Thaíde fala do poder da música em contagiar as pessoas, de sua capacidade de levá-las para outro universo. É interessante notar que nessa música e em algumas outras, o mc faz questão de exaltar a importância do DJ Hum, de como a sinergia entre MC e DJ são de fundamental importância para um bom trabalho.

Por um Triz retrata as dificuldades passadas pelos mais pobres, a batalha do cotidiano, a luta contra a fome, o baixo salário etc. Thaíde fala da importância de manter a cabeça erguida e continuar em frente, ainda que a situação seja extremamente complicada.

Luz Negra tem a participação de Edi Rock, a faixa fala sobre a esperança por um mundo mais igualitário, especificamente um lugar que não haja mais preconceito, em que todos tenham os mesmos direitos. O som também funciona como uma ode aos antepassados, aqueles que lutaram contra a discriminação racial, sendo que é importante o presente se espelhar no passado e continuar a luta contra a intolerância racial.

Hip-Hop na Veia é uma faixa bem inventiva, tendo Thaíde falando que tem a solução para aqueles que estão passando por problemas, os que estão literalmente no fundo do poço: “Eu tenho um troço doido pra você/ Pega leve meu irmão pra não enlouquecer/ Se entrar de cabeça não há como parar” Thaíde utiliza-se da ambiguidade para que o ouvinte faça a suposição de que o mc está falando sobre drogas como a fuga para os problemas, mas é então que Thaíde revela a verdadeira solução para salvar as pessoas dos problemas, enfim, a solução é nada mais nada menos do que injetar Hip-Hop na veia. O som deixa claro para os ouvintes o porquê de Thaíde ser considerado como um dos grandes mestres do rap nacional, já que é evidente o esforço e talento do mc em criar músicas mais complexas, regadas por grande originalidade.

Palavras no Ar traz DJ Hum falando sobre sua sintonia e amizade com Thaíde, sobre a importância do amor que se deve ter ao gênero musical, sendo que é justamente através desse sentimento que os verdadeiros serão respeitados, e não aqueles que estão apenas no jogo unicamente pelo dinheiro.

Ria o mais que puder fala sobre a importância da humildade, de saber que ninguém é melhor do que ninguém, o mc passa a mensagem de que deve haver entre os artistas o respeito mútuo no cenário do rap. Vale ressaltar que nessa e em muitas outras faixas, Thaíde faz questão de sempre passar seus ensinamentos para que seus ouvintes evoluam como pessoas, ou seja, o mc alerta ao ouvinte que é necessário estar a todo o momento repensando suas atitudes para com os outros, é através dessa reflexão que podemos observar e reconhecer nossos erros, e a partir da humildade mudar de uma vez por todas, tornando-se um ser humano melhor.

Em Ritmo da Vida o eu-lírico faz uma retrospectiva de sua vida, desde a infância, confessando acontecimentos de ordem pessoal e mostrando como essas situações foram moldando sua consciência crítica e seu caráter.

Para fechar de vez o álbum, temos a faixa Meu DJ, nela Thaíde presta homenagem ao seu companheiro, DJ Hum, abordando a amizade entre os dois, a importância da lealdade, o modo como ele admira a pessoa de Humberto (nome de DJ Hum). A música tem uma grande carga emocional, consequentemente torna-se evidente para o ouvinte o respeito e a admiração do mc para com seu DJ e vice-versa.  Enquanto o mc solta seus versos, DJ Hum mostra todas as suas habilidades nos scratches, sendo que Thaíde faz questão de exaltar a técnica apurada de seu companheiro. A escolha pelo som que finaliza o álbum foi perfeita, sendo que juntamente com as outras faixas temos um projeto que é considerado sabiamente como um dos grandes clássicos do rap nacional.

Facebook Comments