NotíciasReviews

Review: Drake – More Life

By 8 de abril de 2017 No Comments

O rapper canadense lançou seu novo projeto no dia 18 de Março.

Por Frederico de Barros

2016 foi o ano mais rentável financeiramente para Drake. O lançamento de Views, combinado com a tour Summer Sixteen permitiram ao rapper ganhos consideráveis. Criticado pela inconsistência do seu último trabalho, um álbum com altos e baixos, porém que, ao contrário dos seus outros projetos, nada de novo apresenta, o canadense lançou More Life com uma grande expectativa dos fãs e com uma grande dúvida da crítica quanto a sua capacidade de se reinventar. A grande pergunta que todos parecem fazer, inclusive o próprio artista é: o que vem depois da fama? O novo álbum, apresentado como playlist, não responde este e outros questionamentos justamente por não ter esse interesse.

Para entender o seu novo trabalho, é necessário levar em conta algumas variáveis. Views foi o primeiro álbum a alcançar 1,1 bilhão de reproduções na loja digital da Apple. One Dance foi a primeira canção a ser ouvida 1 bilhão de vezes no Spotify. Hotline Bling, lançado como single, se tornou um sucesso instantâneo. São vinte faixas que, musicalmente, mostram mais do mesmo e ficam abaixo, em termos de qualidade, das treze de Nothing Was The Same. No entanto, objetivo do álbum era consolidar o seu nome como o grande rapper do momento atual, o que é garantido pelos números e estatísticas apresentadas acima.

A sua evolução enquanto artista permitiu que, entre um breve momento, Drake estivesse presente em todos os refrões e versos das principais músicas -comerciais ou não -, com o seu toque de Midas. Ainda consagrou o seu estilo melancólico onde divaga sobre a vida de famoso e os relacionamentos complicados. Sendo assim, o que mais poderia ser feito após alcançar estabilidade financeira e ter construído uma discografia minimamente interessante?

É neste contexto que More Life se insere. Mesmo que tenha sido lançada como um álbum, o novo projeto do rapper vem sendo apresentado como uma playlist, abrindo mão da seriedade e da cobrança de um trabalho sólido e sério que se espera de um álbum propriamente dito. Isto permite que exista espaço para experimentação, passando por diferentes gêneros, grime, dancehall, R&B e também para o hip hop.

Contudo, a falta de um gênero central não permite consistência a playlist. Longo, com 1h e 20 min, More Life pode ser dividido em três etapas: um bom início com músicas leves e batidas animadas, como PassionfruitJorja Interlude Get It Togheter, um meio com produções mais cruas e um final que retoma as boas composições.

Em meio a produções que deixam bastante a desejar, alguns acertos devem ser ressaltados. 4422 abre espaço para Sampha, que já esteve em Too Much The Motion. A batida minimalista é bem escolhida para o clima intimista da canção. Teenage Fever se destaca como uma das melhores músicas pela melodia tocante e o sample de If You Had My Love, de Jeniffer Lopez, o que aumenta os rumores sobre um caso entre ambos. Em Glow, Kanye West faz uma bela aparição e rouba a cena com sua voz grave. Em outros momentos solos, como Lose You e Can’t Have Everything, temos composições mais concretas e maduras.

No entanto, o conjunto decepciona pela falta de direção e pretensão. Parece que Drake se recusa a apresentar outros trabalhos sólidos como em Nothing Was The Same. Ainda que tente se reinventar em outros gêneros é a falta de profundidade, direção e as produções fracas que podem frustrar fãs que acompanharam projetos anteriores. Se levado em conta de que se trata somente de uma playlist, não há por que reclamar. Porém é sabido que o rapper pode apresentar bem mais do que somente isso.

Deixe seu comentário!
Share this...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Jhonatan Rodrigues

Jhonatan Rodrigues

Fundador do Raplogia em 2011. Ex-escritor do Rapevolusom e ex-Genius Brasil. Me encontre no Twitter falando sobre rap: @JhonatanakaJoe

Sem comentários

  • Igor Pontes disse:

    Bela Critica. Drake se tornou um artista pop que se estabilizou e pretende ficar nesse estado confortável. Acho que Nothing Was the Same é um disco razoável, Depois de Take Care (pra mim o melhor album dele), Drake faz mais do mesmo e parece que vai demorar pra demostrar algo interessante. Abraços

Leave a Reply