O álbum de estreia de Nas é o diamante na coroa do meio dos anos 90 que ainda define o gênero. Diferentemente de Ready to Die do Biggie ou de Reasonable Doubt de JAY-Z, lançados na mesma época, o Illmatic foi o divisor de águas que mudou pra sempre o panorama do hip-hop da Costa Leste. Ele não só consolidou o Nas como o melhor rapper de 1994, mas elevou as apostas nas produções do gênero, técnica nas letras, conteúdo e, acima de tudo, ambição artística. Como o primeiro single do CD anunciou logo de cara: “It ain’t hard to tell, I excel then prevail.”

Hoje o disco de Nas completa 25 anos, e nós decidimos reviver uma antiga tradução feita pelo Raplogia de uma matéria postada no site da revista Complex, que listou as maiores contribuições do disco para a a cultura.

Acompanhe, então, mais essa lista:

Nas se consolidou ganhando o título de “rei de Nova York”

Embora o Biggie tenha sido o primeiro ganhador do título nomeado em homenagem ao personagem do Christopher Walken no filme King of New York de 1990, o conceito foi estabelecido com o Illmatic. Raramente o berço do hip-hop enalteceu tanto um disco e o MC que o criou. E ele veio no momento em que o The Chronic do Dr. Dre tinha estabelecido o fato de que o melhor rapper que já existiu podia vir de qualquer lugar, mas levando em que consideração que “o rei de Nova York” é um título equivalente ao papado, o trono do rap só podia ser ocupado pelo melhor rapper de Gotham. Illmatic virou o padrão pelo qual todos os próximos reis de Nova York viriam a ser julgados.

Deu uma cara para a Costa Leste

east coast hip-hop

O Illmatic iniciou uma mudança sísmica na geopolítica do rap. O álbum deu cara ao hip-hop de Queensbridge e, por consequência, ao rap da Costa Leste como um todo. Começando com a sublime participação de AZ em “Life’s A Bitch”, rappers como Mobb Deep, Tagedy Khadafi, Nature, Corega, Noreaga, Capone, Raekwon, Ghostface e até o Common, pareceram achar uma nova inspiração na auto-consciência, nos esquemas internos de rima e domínio dos detalhes da rua de Nas. Os caras tiveram que se intensificar e isso resultou em uma explosão de realismo auto-consciente no rap da Costa Leste.

Trouxe gangsters da vida real para a cultura popular

Citar nomes conhecidos de criminosos do mundo real era uma raridade no rap de 1994. Fora o projeto “Bangin’ on Wax” da Costa Oeste, o hip-hop falava pouco sobre sobre os personagens reais das ruas. Mas Nas começou algo quando fez referência aos verdadeiros reis das ruas como o Supreme Team e o Alpo em “Memory Lane” ou o Pappy Mason em “The World Is Yours”. Aquela música iniciou a documentação e o marketing das reais lendas das ruas e suas histórias de vida. Revistas como a FEDS e a Don Diva e filmes como Paid In Full e American Gangster seguiram esse movimento e o Rick Ross quase fez uma carreira em cima disso.

Inspirou o filme “Belly”

Belly

Há consistentes evidências de que o Illmatic inspirou todo o filme. Por que outros motivos a Hype chamaria o ator Nasir pro papel principal? Adicione isso ao número de cenas do filme que começaram diretamente com o álbum, incluindo o último terço de One Love ou a cena onde eles dramatizam o verso de “N.Y. State of Mind” em que o Nas diz “give me a Smith and Wessun I’ll have niggas undressing”. Não é a toa que os críticos chamaram as rimas do Nas de “cinemáticas”.

Fez o Jay-Z mudar seu estilo pra melhor

Jay-z e nas

Existe um Jay antes do Illmatic e um depois do Illmatic. O MC do Brooklyn mudou seu estilo para melhor o suficiente para produzir o seu Reasonable Doubt, um álbum marcado por uma introspecção característica do Nas.

A evolução poética de Jay-Z se deveu claramente ao Illmatic, embora ele tenha mudado pra flows mais lucrativos em seu próximo álbum. Seus samples (“Dead Presidents” sampleou a “World Is Yours”) e nomes citados (em “Where I’m From” ele manda a pergunta “quem é o melhor MC: Biggie, Jay-Z ou Nas?”) mostraram a influência de Nas em Jay, como o próprio fez questão de apontar alguns depois.

Se solidificou como padrão na classificação de cinco microfones da The Source

Na época, o debate sobre o Illmatic merecer ou não a nota de cinco microfones da revista The Source foi forte e revelou a importância do sistema de classificação da revista para toda a nação do hip-hop. Artistas da Costa Oeste reclamaram que a classificação por cinco microfones era prova de que “a bíblia do hip-hop” era puxa-saco da Costa Leste, especialmente depois do The Chronic ter saído e ganhado apenas quatro microfones e meio.

Estabeleceu um novo conceito em produção e colocou DJ Premier em uma jornada épica

Colocar juntos todos os melhores produtores de hip-hop da Costa Oeste assegurou que o Illmatic definisse o som de Nova York por toda uma era. Nas inspirou todos seus produtores (Pete Rock, Premier, Q-Tip, Large Professor e LES) a criar um som orgânico para a era moderna. A influência do Illmatic como referência no conceito de produção ainda é evidente em discos com o good kid m.A.A.d City do Kendrick Lamar.

Mais especificamente, o Illmatic estabeleceu Premier como a batida que ficou famosa no som da Costa Oeste. O texano foi antes conhecido como o DJ do Gangstarr, até “N.Y. State of Mind”, “Memory Lane (Sittin’ in tha da Park)” e “Represent”. Depois disso, virou um ritual de passagem para um MC de Nova York rimar em uma faixa dele. Jay, Biggie e Jeru convocaram Primo para seus álbuns de estreia. Até hoje Joey Bada$$ continua essa tradição.

Recebeu a tocha da mão de Rakim

rakim

Houve um realinhamento na cosmologia do hip-hop depois do Illmatic. Do mesmo modo com que o primeiro álbum do Run-DMC desenhou uma linha na areia entre o velho e o novo, o álbum de estreia do Nas marcou o início de uma mudança de guarda, assim os antigos reis do hip-hop se viram obrigados a competir com novas armas que estavam desenvolvendo a arte.

O Illmatic deixou claros os excessos de Big Daddy Kane no R&B e a falta de visão de Kool G. Até Rakim, que formou a base na qual Nas se construiu depois, se encontrou meio que em um limbo assim que Illmatic estabeleceu Nas como “o próximo Rakim”. O “GOD MC”, do inovador Paid In Full e de faixas como “Ghetto” e “Follow the Leader” estimulou a criatividade de Nas, passou vários anos ausente do hip-hop assim mantendo seu título de lenda, porém lançando poucas coisas novas.

Apresentou novas palavras e conceitos

A poesia precisa de Nas em Illmatic apresentou novos termos e frases que se infiltraram no dicionário do hip-hop. Alguns “Nasismos” que pegaram: “Sleep is the cousin of death”, “half-man, half amazing” e até mesmo a palavra “Illmatic” por si só que se tornou sinônimo de algo surpreendentemente maravilhoso.

Definiu o padrão no quesito capa de álbum

illmatic

Antes do Illmatic, as capas de álbuns de rap eram cheias de clichês: insira rapper x relaxando numa pose de b-boy, adicione umas garotas, alguns carros, correntes de ouro, armas à escolha, ferva e sirva. Em seu álbum de estreia, o que era uma autobiografia acompanhada de trilha sonora, Nasir Jones deu seu último toque pessoal: uma foto de close dele mesmo quando criança sobreposta com um monte de prédios do Queens que diziam muito sobre sua existência. No processo, ele criou seu próprio clichê de capas de disco.

A mordaz capa de Illmatic combinou com o clima, o tom e todas as qualidades desse álbum introspectivo em um nível tão alto que virou instantaneamente clássica, cultuada como uma forma visual de significado e é até hoje uma das capas de CD mais copiadas de todos os tempos. Quando um rapper aspira à grandeza, Illmatic dita o formato da capa. Uma pequena lista de álbuns com o mesmo conceito de capa incluem Ready to Die, Tha Carter III, good kid m.A.A.d City e aproximadamente 9,459,834,865,263,504 mixtapes (Villematic do J Cole pra começar).

Deixe seu comentário!
Share this...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Jhonatan Rodrigues

Jhonatan Rodrigues

Fundador do Raplogia em 2011. Ex-escritor do Rapevolusom e ex-Genius Brasil. Me encontre no Twitter falando sobre rap: @JhonatanakaJoe

Leave a Reply