Coberturas & Entrevistas

Com shows de Ogi e TETRIZ, Raplogia mostra como foi o Original Pinheiros Style | Raplogia

By 14 de abril de 2018 No Comments

Depois de um show memorável do Illa J, que vocês acompanharam aqui e de uma entrevista com o Rapper de Detroit, Raplogia pegou o embalo e foi conferir o Original Pinheiros Style apresenta OGI / abertura: Tetriz que rolou no dia 8 de abril ali na Vila Madalena em São Paulo.
Dentre as atrações tivemos Ogi, rapper paulistano já de longa data e o TETRIZ, grupo carioca/mineiro fazendo sua primeira apresentação em SP. Ainda contamos com a discotecagem do Dj Marco (Discopédia), Mako (Pico) e Pinhel (OPS).

Nessa oportunidade ainda conseguimos conversar com o Ogi e o Matéria Prima, rapper mineiro famoso por integrar os grupos Quinto andar e Subsolo, além da sua carreira solo. Ao final do ano passado, junto com Ramiro Mart e Goribeats, formaram o TETRIZ e continuam mostrando que Essa porra não morreu.

Confere nosso papo:

TETRIZ Foto por João Victor

 

Raplogia: Como o TETRIZ começou?

Materia: TETRIZ começou com uma sugestão do Goribeats (Dj do grupo). A gente tinha feito uma música pro disco do Ramiro (Ramiro Mart, MC integrante do grupo) que chama Áudio mensagem, aí no final das contas se apresentou no Manos e Minas (programa da tv cultura) e o Goribeats depois da apresentação chegou bem gangster falou “-Vamos fazer mais uma faixa pro disco” a gente não se conhecia na verdade, a gente se conheceu depois do convite pra fazer o Manos e Minas.

Raplogia: Até porque você é de minas e os dois (Ramiro Mart e Goribeats) são de Volta Redonda

Matéria: É, o Ramiro tinha me convidado pra fazer parte do Áudio Mensagem. E ai a gente veio fazer a apresentação pro disco dele depois disso o Goribeats foi e “me seduziu” falando “-Vamo fazer mais uma”, mas não de brincadeira, ele falou sério, tipo “eu acredito no bagulho, independente do quão é seletivo, do quão restrita é a cena pro tipo de som que a gente faz”. Aí ele deu esse papo e a gente começou a conversar no whatsapp. E o Goribeats tem um fluxo interminável de beat e ai mandou um… na mesma semana mandou mais outro…e ai mandou mais três. Depois mandou mais um e a caneta começou.

Aí a gente começou a entrar num fluxo absurdo de afinidade e conectividade, as coisas começaram a fluir com muita naturalidade. E a gente começou a pensar: “Não vai ser só uma música, vamo fazer um ep?” vamos, aí a gente começou.

Ramiro chegava com um verso de tarde, chegava a noite já tinha outro verso no whatsapp, aí tinha outro beat e já tinha outro verso e continuou a fazer esse fluxo a partir desse dia do que foi a gravação do manos e minas.

Raplogia: A partir do dia do Manos e Minas até a o ep pronto, foi quanto tempo de processo?

Matéria: Três meses. Outubro, novembro e dezembro… Acho que começou em setembro, outubro e a gente soltou o disco em novembro. (Oficialmente, saiu dia 30 de outubro)

Raplogia: E como vcs pensaram nas parcerias? O niLL (Sound Food Gang) anda fazendo um som mais diferente…

Matéria: …Foi a partir do Regina mesmo (albúm de estreia do niLL) surpreendentemente “refrescante” pra gente que tem essa sede de coisas diferentes e distintas na cena nacional e esse nosso trabalho dialoga demais com a intenção dele de fazer uma coisa que destaca pela diferença e ai a gente pensou nele e no Espião (Rua de Baixo | Espião e Sala 70) porque é sempre um cara que comparece de uma forma surpreendente

Raplogia: Sim, é impossível não notar ele no local
Matéria: …é, e assim e mesmo com essa circulação que faz esse ser rotulado como oldschool e tal, o cara ta aí com uma força que é inegável, ele está sempre no ápice.

Espião, Ramiro e Matéria prima cantando Quatro pilares, música do álbum de estréia do grupo.
Foto: Marco Aurélio

Raplogia: Outro lance também é o clipe da Balança (ultima faixa do Primeira Fase), que saiu com certo tempo depois do lançamento do álbum. Foi planejado ou conforme rolou?

Matéria: A gente foi convidado pelo artista que fez a capa do Áudio Mensagem do Ramiro (Fredone) e pelo Renato Rei, outro artista de Vitória (cidade do ES), que é um grande celeiro de artistas não reconhecidos nesse Brasilzão que fode a gente que faz um bagulho diferente. Eles sugeriram que fizéssemos uma permuta, que a gente fizesse um show do TETRIZ lá em troca de um videoclipe. Aí a gente foi, pra poder fazer um primeiro videoclipe do TETRIZ, com essa permuta de fazer um clipe dirigido por ambos. Aí gravamos as cenas, não foi uma ideia pré-concebida, mas também não foi uma coisa “tamo aqui e vamo fazer” os caras já tinham um roteiro, por mais que seja minimamente pré-concebido, eles já tinham uma idéia de um roteiro. E a musica ela permite que a gente tenha imagens que fogem da ideia do clipe, é uma coisa mais solta.

(Há também o clipe da EPNM, lançado em novembro de 2017)

Raplogia: Só finalizando, sobre os sons novos e o próximo álbum (SEGUNDA FASE) alguma previsão de data para lançamento? Como vai ser trabalhado?

Matéria: Na verdade, não temos uma previsão, mas já está gravado e tem participações que ainda não posso revelar. Mas são duas participações interessantes.
E o próximo trabalho do Matéria se chama Bem Boombap, que é produzido pelo Dj Dario

Raplogia: ..Ah, então vai ter um trabalho solo.

Matéria:  Vou, que é uma ideia que surgiu num fluxo muito repentino de caneta e tal, o Dario mandou uns beats que era pra que eu fizesse uma parada com o Djonga (DV TRIBO) pro disco dele, que é o 2° impacto, mas ai que ele teve que dar uma parada no processo pra fazer outras coisas e ele quer soltar singles ao invés de lançar um álbum. Mas ele mandou uma porrada de beat pra mim e o djonga não podia fazer aí eu falei “ah, ta bom” e comecei a rabiscar, despretensiosamente, consegui fazer um projeto que seria um ep se tornar um álbum. E aproveitando de ter a oportunidade de ter beats a minha disposição, tempo livre e sem se preocupar com retorno, com participação, com a puta que o pariu que o seja, consegui fazer uma parada que me deixou bem satisfeito assim.

Raplogia: O teu solo não vai ter participação?

Matéria: Meu solo vai ter a participação do Zudzilla.

Raplogia: Continuando na sua carreira solo, o 2 atos que é um EP diferente do que você já fazia, onde você canta mais, tem mais melodia…você tem a pretensão de continuar lançando musicas assim?

Matéria: Eu quero pra caralho cantar porque eu acredito que fazer isso ser considerado dentro do contexto do rap é interessante, então quero fazer isso mais presente nas coisas que eu faço, quero fazer um disco que seja todo cantado, pra poder ser algo que vai encorpar mesmo o que é o conceito, o que é o que rap representa. Não so rima o tempo inteiro, gostei muito de ter feito esse ep no meio porque dá uma quebrada na tensão que é a mensagem, aquela metralhadora o tempo inteiro, acho que vem muito a calhar, nesses tempos que a gente vive é necessário termos essa quebra, através do canto, através da melodia e através da liberdade de não ter que sempre vincular o rap ao compromisso do protesto, acho que dá pra sublimar, estender o proposito da arte.

Galeria de imagens por João Victor e Marco Aurélio respectivamente, siga a gente nas redes sociais.
See Ya’

Deixe seu comentário!
Share this...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Arthur Garbossa

Arthur Garbossa

Quando não está pelos bares falando de cinema e quadrinhos, costuma ser Designer. Corinthiano fanático, melodramático e bon vivant.

Leave a Reply