O hip-hop teve um grande avanço no audiovisual nos últimos anos, graças a artistas que não queriam mais vídeos comuns com eles rimando para câmera, esbanjando dinheiro e carrões. Criou-se uma espécie de plataforma nos vídeos, ela vem crescendo cada vez mais, abrindo espaço para mais trabalhadores, e também para a arte.

Na semana passada, o rapper baiano Baco Exu do Blues lançou o seu segundo disco BLVESMAN. Junto à ele, o artista divulgou um curta-metragem de cerca de 8 minutos com o mesmo nome do seu projeto.

Dirigido por Douglas Ratzlaff Bernardt e roteirizado pelo próprio Baco, o curta perfeitamente com a temática do disco. A prata e os negros são os grandes protagonistas, traçando um paralelo entre ambos. O monólogo explicado no começo pelo ator Hilton Coimbra explica bem o tema do projeto:

A prata é um metal com poder de reflexão muito elevado. Do latim argentum, significa brilhante. Nossa pele é de prata. Ela reflete luz. Um brilho tão intenso que eu lhe pergunto: ‘por que o ouro é tão querido, e a prata subvalorizada?’ Alguns vão dizer que é porque a prata é encontrada com mais facilidade. Reflita.

O Brasil tem uma população de negros maior que a de brancos. Temos menos valor por ser maioria? A ironia da maioria virar minoria. A prata é um metal puro. Eu realmente não entendo essa necessidade da procura do ouro.

Você pode assistir o curta na íntegra abaixo:

Baco segue uma linha que já vem sendo feita há alguns anos por artistas de todo o mundo, inclusive no Brasil. Curtas-metragens são uma forma deles colocarem o que é falado no disco em tela.

Compilamos alguns curtas feitos por artistas de hip-hop internacionais. Confira:

Chance the Rapper – Mr. Happy

Todos conhecemos Chance The Rapper como uma figura animada e positiva dentro do hip-hop. Em 2015, ele mostrou outra cara no curta Mr. Happy, feito em parceria com a VICE.

O curta mostra Chance como um funcionário de uma loja com tendência suicidas. O projeto é obscuro e bem diferente do que estávamos acostumados a ver o rapper fazer.

Kendrick Lamar – God is Gangsta

Esse é um curta feito para servir como vídeo de duas músicas do disco To Pimp a Butterfly de 2015, “u” e “For Sale?“. Por isso, o projeto dirigido pelo duo the little homies e Jack Begert tem duas partes.

Na primeira, um Kendrick visivelmente alterado rima a faixa “u“, onde rapper rima com um flow mais arrastado, como se estivesse bêbado. No curta, ele é visto bebendo e desabafando para a câmera sobre problemas mentais, culpa, fama e ódio.

Na segunda parte, o rapper fala sobre como a fama é mal interpretada, refletindo sobre a crença de que felicidade é apenas alcançada com sucesso. Gravado no clube do diretor David Lynch em Paris, Kendrick se vê repleto de tentações e vai ao encontro da sua salvação material. Lucy, personagem do álbum, é vista nessa etapa do visual – ela é a personificação de Lúcifer e de todas as tentações da fama que cercam o rapper.

Kanye West – Runaway

Em 2010, Kanye West lançou seu disco My Beautiful Dark Twisted Fantasy. Projeto até hoje colocado entre os seus melhores. Para promover o projeto, o rapper criou um curta-metragem musical chamado Runaway, título do single principal do álbum.

Ele serve como uma grande compilação de vídeos para as músicas do álbum. Mas funciona sozinho por ter um roteiro próprio e introspectivo. Kanye diz que a história do curta é um paralelo da sua carreira até então, e também “o que ele sonhava” na época.

Kanye revelou que se inspirou em vários outros filmes musicais de artistas, como Purple Rain de Prince, The Wall de Pink Floyd, e Thriller de Michael Jackson. Essa não foi a primeira vez que o rapper fez um curta-metragem.

Vince Staples – Prima Donna

Em 2016, para promover seu EP Prima Donna, Vince Staples lançou um curta-metragem de mesmo nome dirigido por Nabil.

Vince fala sobre o lado negro de ser um rapper famoso. Ele cria uma imagem única da fama e seus problemas, tudo isso inspirado pelo filme The Shining (O Iluminado, 1980) de Stanley Kubrick.

ScHoolboy Q – Blank Face (Trilogia)

Também em 2016, o rapper ScHoolboy Q lançou o ótimo disco Blank Face LP, projeto que até agora foi o seu último a ser lançado.

Em paralelo a divulgação do disco, o rapper divulgou três curtas que formaram uma trilogia conhecida como Blank Face. Os visuais são continuações um dos outros. A história é sobre Q ser preso injustamente após um roubo de uma joalheria.

Os três capítulos do curta mostram diferentes etapas do destino do personagem dentro da prisão. No fim, Q tem de escolher entre sua filha ou seus amigos.

Blank Face é um ótimo curta e mostra como o audiovisual foi importante para a composição do projeto do rapper.


Qual seu curta favorito? Comente abaixo outros projetos visuais que deveriam estar na lista!

Deixe seu comentário!
Jhonatan Rodrigues

Jhonatan Rodrigues

Fundador do Raplogia em 2011. Ex-escritor do Rapevolusom. Me encontre no Twitter falando sobre rap: @JhonatanakaJoe

Leave a Reply